sábado, 3 de janeiro de 2009

Crepúsculo


Crepúsculo
Twilight
EUA, 2008 - 122 min
Suspense / Romance / Drama / Fantasia

Direção:
Catherine Hardwicke


Roteiro:
Melissa Rosenberg e Stephenie Meyer (livro)

Elenco:
Kristen Stewart, Robert Pattinson, Billy Burke, Ashley Greene, Nikki Reed , Kellan Lutz, Peter Facinelli, Cam Gigandet

Nada melhor do que começar o ano para o CineMatuto com a segunda maior bilheteria de estréia em 2008. Crepúsculo é a adaptação do primeiro livro da série de Stephenie Meyer, série esta que se tornou a maior febre juvenil pós-Harry Potter. O filme arrecadou 70 milhões de dólares no final de semana de estréia só nos Estados Unidos, ficando atrás somente de Batman - O Cavaleiro das Trevas quanto a bilheteria de estréia. O sucesso do livro no Brasil fez com que o filme tivesse sua estréia adiantada em um mês.
No filme, nos é contada a história de Isabella Swan (Kristen Stewart), uma garota de 17 anos que abre mão de morar com sua mãe, Renee (Sarah Clarke), que acaba de se casar e vai viver na estrada com seu novo marido, que é jogador de beisebol da segunda divisão, na ensolarada Phoenix, para morar com seu pai, Charlie (Billy Burke) em Forks, Washington D.C., uma cidade nublada em que se chove quase todos os dias. Em seu novo lar, Bella faz algumas amizades com pessoas que não gosta de ouvir, e conhece Edward Cullen, (Robert Pattinson) garoto que Bella (como é chamada) conhece na escola, e que fica isolado com seus irmãos adotivos, Emmet Cullen (Kellan Lutz), Rosalie Hale (Niki Reed), Jasper Hale (Jackson Rathbone) e Alice Cullen (Ashley Greene). Passado um tempo que Bella conhece Edward, a garota descobre que ele e sua família são vampiros. Os dois se apaixonam um pelo outro, mas Edward tem uma sede maior que o normal pelo sangue da garota. Daí a história se desenrola mostrando se possível um vampiro e uma garota mortal apaixonados viverem juntos.
Apesar do filme ser um dos maiores blockbusters do ano, contou com um baixo investimento para um filme tão esperado e com relativamente grande necessidade de efeitos especiais (apenas 37 milhões de dólares). E esse fato pode ser notado no filme, que foi muito prejudicado por isso. Os efeitos especiais são, em geral, precários. Os pulos feitos em computação gráfica e com uso de cordas são a prova disso. Mas mesmo assim, algumas cenas conseguem ser emocionantes, ou até bem feitas, como a do jogo de beisebol na clareira (destaque para a fotografia da cena e a câmera lenta) e a luta contra James (Cam Gigandet), principalmente quando este desliza quebrando o chão de madeira). O filme possui uma ótima fotografia, boas locações e não apela para os efeitos especiais. Pelo contrário: tem muita força nas atuações, principalmente no casal principal. Kristen Stewart (Zathura, Os Mensageiros, Na Natureza Selvagem), além de fiel à personagem do livro, se mostra, mais uma vez, uma ótima atriz, assim como fez em O Quarto do Pânico. O mesmo pode ser dito sobre Robert Pattinson (Harry Potter e o Cálice de Fogo), que volta em mais uma adaptação de um livro de sucesso juvenil mas, desta vez, com maior importância, interpretando um personagem tão complexo como Edward é, que exige uma constante representação da mudança de vontades e ações, como quando está calmo e, repentinamente, voraz. E isso é claramente apresentado em cenas como, por exemplo, a seqüência em que Edward encontra Bella na aula de Biologia, quando o garoto protege Bella em Port Angeles e por último, mas não menos importante, a cena em que Edward tenta parar de sugar sangue.
O filme já foi muito questionado em relação à sua fidelidade como adaptação. Realmente, ele é bem menos fiel do que o esperado. Falas, locações e, destaque para estes últimos, características físicas e psicológicas são mantidas incrivelmente fiéis. Mas outros não, como o fato de ocorrerem ataques de vampiros na cidade de Forks e na região durante a história. Isso não acontece no livro e, quem o leu sabe que os Cullen saberiam da presença de outros vampiros, e estes últimos não caçariam numa área habitada por outros vampiros (os Cullen). O filme também deixa de lado os sonhos de Bella, que talvez fossem bastante esclarecedores para os espectadores, a história da vida de Carlisle Cullen (Peter Facinelli), o médico-cirurgão de Forks e pai adotivo de Edward e seus irmãos e, talvez o mais importante, a misteriosa história de como Alice se transformou em vampira.
Dois pontos fortes do filme a serem considerados são o som e a trilha sonora. O filme conta com ótimos efeitos sonoros, que contribuem bastante para a tensão e emoção das cenas. A trilha sonora é caprichada e vem para satisfazer os jovens, principalmente com as músicas Decode e I Caught Myself, da banda Paramore, Leave Out All The Rest da banda Linkin Park e Never Think e Bella´s Lullaby por Robert Pattinson (esta última é a canção de ninar que Edward escreve para Bella e, com certeza, é um dos itens do filme mais esperados pelos fãs). O fato de o próprio ator escrever a música que sua personagem escreve, torna isso mais interessante do que seria normalmente.
Uma coisa é certa: Catherine Hardwicke fez um ótimo trabalho como diretora pois, apesar de todos os defeitos do filme, não é qualquer diretor que consegue adaptar o maior sucesso literário atual com apenas 37 milhões de dólares (afinal, a história exige efeitos especiais) e ainda ter a segunda maior bilheteria de estréia do ano, fora que grande parte da crítica, tanto de fãs quanto da mídia, foi positiva, quando mesmo com grande investimento na produção é difícil agrada-los (As Crônicas de Nárnia - O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa e As Crônicas de Nárnia - Príncipe Caspian são ótimos exemplos). O filme é, de qualquer forma, divertido de se assistir, com seus momentos engraçados, de ação e românticos, mantendo o mesmo "clima" determinado no livro. Boa parte dos momentos em que o filme não segue o livro servem para tornar o primeiro uma obra cinematográfica, e não literária, para transformar a história para que fique mais bem representada no meio em que se quer que ser transmitida, que no caso é o cinema. Enquanto a continuação do filme é encaminhada e Catherine Hardwicke já está fora do filme, saída essa que foi causada pela pressa do estúdio em começar a gravar, espero que Lua Nova (a própria continuação) seja uma evolução de Crepúsculo, que a pressa dos estúdios, apesar de necessária, pois os atores que interpretam vampiros não podem envelhecer, não atrapalhem no desenvolvimento do filme, o que pode afetar a qualidade deste, e que o diretor Chris Weitz (A Bússola de Ouro) realize um bom trabalho, usando sabiamente o orçamento do filme, que será maior que o anterior, pois este exigirá bem mais dos efeitos especiais.


4 comentários:

Contra a Maré disse...

Vou pela minha filha... filme triste. Quando estiver no DVD irei assistir.

Taty Soares disse...

Falou bem, gostei.
Realmente o livro é mais realista, sempre tem mais detalhes e algumas cenas foram precarias de efeitos especiais mesmo.
Um abraço Leo, sucesso pro Blog :D.

Jessica disse...

Como sempre o livro é bem melhor.O filme crespúsculo deixou muito a desejar!
Um beijo, Léo!
Adorei o blog;*

Israel disse...

É, o filme é legal ^^ ...Talvez se eu tivesse lido o livro não tivesse gostado... ^o)

Parabéns pela critica ^^

 
© 2007 Template feito por Templates para Você